TABINE

UCB BIOPHARMA LTDA.

T TABINE E

Meeizler UC CB Biop pharma S/A

S

Solu ução injeetável 1000 mg/m mL Tabine citarabina S olução injetáv vel I - ID

DENTIFICAÇ ÇÃO DO MEDICAMENT TO APRE ESENTAÇÃO O

Tabin ne apresenta-se na forma de solução innjetável (100 mg/mL) em embalagem contendo 1 frascof ampola de 1 mL, 5 mL ou 10 mL L.

NOSA, INFUS SÃO INTRAV VENOSA CO ONTÍNUA OU U SUBCUTÂ

ÂNEA

VIA INTRAVEN USO ADULTO E PEDIÁTRIC CO ATEN

NÇÃO: ES

STE VIAIN NTRATECA AL MEDIICAMENTO O

NÃO

DEVE D SER R ADMINIISTRADO POR

MPOSIÇÃO

COM

Cada frasco-ampolaa contém:

citarabbina . . . . . . . . 100 mg g excipiientes: polietillenoglicol 400 0, trometamoll, hidróxido dee sódio, ácido clorídrico, ággua para injetááveis.

NFORMAÇÕ

ÕES AO PAC CIENTE

II - IN 1. PA

ARA QUE ES STE MEDICAMENTO É INDICADO

O?

A prinncipal indicaçção de Tabine (citarabina) solução injettável é para o tratamento dde leucemias agudas a não liinfocíticas (cââncer da med dula óssea, taambém conheecido como “tutano do ossso”, que é o órgão responnsável pela produção p do sangue) s em aadultos e crian nças. É também útil no trratamento de outras leucem mias, como leeucemia linfocítica aguda e leucemia mielocítica crôn nica (fase bláástica). Tabinee pode ser uttilizado sozinhho ou em com mbinação com m outros agen ntes antineopláásicos (que coombatem o cââncer).

Frequuentemente, os o melhores resultados r sãoo obtidos com m a terapia combinada. T Têm sido currtas as remissões (desaparrecimento tem mporário da dooença) induziidas por Tabiine e quando não acompan nhadas por teerapias de mannutenção.

Em reegimes de altaas doses com m ou sem agenntes quimioterrápicos adicio onais, Tabinee mostrou-se efetivo e para o tratamento de d leucemias de d alto risco, l eucemias refrratárias e leuceemia recidivannte aguda.

OMO ESTE MEDICAME M

2. CO

NTO FUNCIIONA?

Tabin ne é um agennte antineopllásico (que coombate o cân ncer) que iniibe a formaçãão do DNA (ácido desoxxirribonucleicoo - substânciaa ou materiall genético qu ue forma os seres s vivos). Também aprresenta propriiedades antiviirais (que com mbatem vírus)) e imunossup pressoras (que diminuem a resposta do sistema s de deffesa do organiismo).

UANDO NÃO O DEVO USA AR ESTE ME EDICAMENT

TO?

3. QU Tabin ne é contrainddicado a pacieentes hipersennsíveis (alérgiccos) à citarabiina ou a qualqquer componeente do produuto.

Este m medicamentoo não deve seer utilizado p por mulheress grávidas seem orientação ão médica. In nforme imediiatamente seu u médico em caso de suspeeita de gravid dez.

4. O Q

QUE DEVO SABER ANT TES DE USA AR ESTE ME EDICAMENT

TO?

Tabin ne deve ser utilizado ap penas sob a supervisão de médicos experientes em quimiotterapia antineeoplásica (quee combate o cââncer).

Na teerapia de induução (primeiraa tentativa dee diminuir a quantidade q dee células canccerosas no saangue), devem m estar à dispposição do pacciente e da eqquipe médica recursos labo oratoriais e dee suporte adeq quados para m monitorar a toolerabilidade ao fármaco, pproteger e maanter pacientess comprometiidos pela toxiicidade da meedicação.

Para aavaliar a adeqquação da terrapia com Tab bine, o médicco deve consiiderar os posssíveis benefíccios ao paciennte em relaçãão aos conheccidos efeitos ttóxicos da cittarabina. Antees de decidir quanto à teraapia ou iniciarr o tratamentoo, o médico deeve se familiarrizar com as informações seeguintes:

- Efeiitos Hematolóógicos: Tabinee é um potentte supressor (iinibidor) da medula m óssea; o grau da sup pressão depennde da dose e do esquema terapêutico addotado. A terap pia deve ser in niciada com ccautela em paccientes com ssupressão da medula ósseaa preexistente induzida porr medicamento os. Pacientes que receberem este fármaaco devem estar sob rigoro osa supervisãão médica e, durante a terapia de induçção, a contag gem de leucóccitos (células de defesa do o sangue) e pplaquetas (célu ulas responsáv veis pela coaagulação do sangue) deve ser feita diarriamente. Dev vem ser realiizados, frequ uentemente, ex xames da meedula óssea após a o desapparecimento doos blastos (células do sanguue que são muito m jovens, in ndicando um aumento da divisão d celulaar, o que é um m indicativo de d câncer) daa circulação sanguínea.

s Deeve-se consideerar a suspensão ou modifficação do traatamento se a depressão da medula óssea ó induzida por medicaamento resulttar em contaggem plaquetáária inferior a 50.000, ou see a contagem m dos granulóccitos polimorffonucleares (ttipo de célulaas de defesa prresentes no saangue) chegar a níveis inferriores a 1.000//mm3. As conttagens de elem mentos figuraados (todos oss vários tipos de célula preesentes no san ngue) do sang gue podem coontinuar dimin nuindo após a suspensão do medicameento e alcançaar valores maais baixos ap pós períodos dde 12 a 24 dias d da interruupção do trattamento. Caso seja indicaado, deve-se reiniciar a teerapia quandoo aparecerem sinais definiitivos de recupperação medu ular. Devem eestar à disposiição do pacien nte os recursoos para o trataamento de eveentuais compllicações, posssivelmente fattais, consequentes da supressão da medu dula óssea (inffecção, hemorrragia devido à trombocitop penia - diminuuição das célu ulas de coagulaação do sanguue: plaquetas).

Ocorrreram reações anafiláticas (reações alérgiicas graves) durante d o tratam mento com cititarabina. Relaatou-se anafillaxia que resulltou em parad da cardiopulmoonar (do coraçção e do pulm mão) aguda e eexigiu ressuscitação.

Esse ffato ocorreu im mediatamentee após a adminnistração intraavenosa de citaarabina.

- Teraapia com Altaas Doses: apó ós terapia com m altas doses de citarabina (2-3 g/m2) reelatou-se toxiicidade pulmoonar, gastrinteestinal (do estômago e do intestino) e do d sistema neervoso centrall (cérebro e medula m espinhhal) grave, differente daquela observada com os regim mes terapêuticos convencionnais de citarab bina, e por vvezes fatal (viide item 8. Quais

Q

os malees que este medicamento m pode p me caussar?). Essas reações r inclueem toxicidadee reversível de córnea (m membrana traansparente da frente do oolho) e conju untivite hemorrrágica (inflam mação ou infeecção da mem mbrana que co obre o olho co om presença dde hemorragiaa), que podem m ser evitadaas ou diminuíídas através dda administraação profiláticca de colírio de corticosteeroide;

disfunnção cerebrall e cerebelarr (região do sistema nerrvoso central responsávell pelo equilíb brio e coorddenação dos movimentos), m geralmente g reeversível, inclu uindo alteraçõ ões de personnalidade, sonolência, convuulsão e coma; ulceração gasstrintestinal ggrave, incluind do pneumatose cistoide inteestinal (ar na parede do inntestino) levaando à perittonite (inflam mação do peeritônio – caamada que rrecobre o ab bdome internnamente), sepse (infecção generalizada) e abscesso hepático h (acú úmulo de pus no fígado); edema pulmoonar (acúmuloo de líquido nos pulmões); lesão hepáticaa com hiperbiilirrubinemia aaumentada (excesso de billirrubina no saangue); necrosse (destruiçãoo) de alças inteestinais e colitte necrosante (inflamação grave g e fulminnante do intesstino grosso).

Ocorrreram casos graves g e algun ns fatais de ttoxicidade pullmonar, síndrome da angúústia respiratória em adultoos (mau funccionamento grave g dos pullmões por accúmulo de líquido) e edeema pulmonaar com esqueemas terapêutticos com alltas doses dee citarabina. Foi observaada uma sínddrome de an ngústia respirratória súbita,, que progred diu rapidameente a edemaa pulmonar com cardiomeegalia (aumen nto do coraçãão) evidente radiologicame r ente (por exam me de imagem m) após terapiaa experimentall com altas do oses de citarabbina empregaada no tratameento da recaídaa (volta) de leeucemia.

Casoss de cardiomiiopatia (lesão do músculo do coração) com morte su ubsequente fooram relatados após terapiia experimental com altas doses de citaarabina em co ombinação com m ciclofosfam mida, na prep paração para ttransplante de medula ósseaa. Isso pode seer dependente do esquema posológico p (daa dose).

Ocorrreram neuropaatias periféricaas motoras e sensoriais (lesões dos nerv vos periféricoss responsáveiss pelos movim mentos e pela sensibilidade, respectivame mente) após a combinação c dee altas doses dde citarabina, daunoorrubicina e asparaginase em pacientees adultos co om leucemia não-linfocítiica aguda. Deve-se

D

observvar o surgimeento de neuropatias em paccientes tratado os com altas doses de citarrabina uma vez que alterações no esqquema terapêêutico podem m ser necessárias para evitar disfunnções neurollógicas irreveersíveis.

Raram mente, rash cuutâneo (vermelhidão da pelee) grave levan ndo à descamaação foi relataado. Alopecia (perda de caabelo) total é mais comumente observvada com terrapia de altas doses do qque com esq quemas conveencionais de trratamento com m Tabine.

Quanddo o medicam mento é admiinistrado rapiidamente em altas doses por p via intravvenosa (na veeia), os pacienntes frequenttemente senteem náuseas e podem vom mitar por várrias horas appós a injeção. Esse probleema tende a seer menos grav ve quando o m medicamento é administrado o por infusão.

- Teraapias com Dosses Convencio onais: inflamaação do peritônio (peritonitee) e colite guááiaco positiva (colite em quue há sangue oculto o nas fezzes, detectado pelo teste de guáiaco), com m neutropeniaa (diminuição de um tipo dde células de defesa d no sang gue: neutrófiloos) e trombociitopenia (dimiinuição das céélulas de coag gulação do sanngue: plaquettas) simultaneeamente, foram m relatadas em m pacientes trratados com ddoses convenccionais de cittarabina em combinação com outros medicamento os. Estes pacientes responnderam às medidas m terapêêuticas não ciirúrgicas. Foraam relatados casos de paraalisia ascenden nte progressivva tardia (perda dos movim mentos que se s inicia nos membros infferiores e vaii acometendo as partes m mais altas do corpo) resultando na morrte de crianças com leuc emia mieloid de aguda trattadas com cititarabina, em doses osa em combinnação com outtros medicameentos.

conveencionais, por via intraveno - Funnção Hepáticaa (do fígado)) e/ou Renal (dos rins): o fígado hum mano, aparente temente, metaaboliza (elimiina) parte subsstancial da do ose administraada de Tabinee. Especialmen nte pacientes ccom função reenal ou hepátiica prejudicadda podem aprresentar uma probabilidadee mais alta de toxicidade do sistema nervoso centraal após tratam mento com altaas doses de T Tabine. Este medicamento m deve ser utilizzado com cau utela e, se posssível, em dosses reduzidas, nos pacientess com função hepática h ou reenal prejudicad ada.

Devem m-se realizar avaliações periódicas das funções med dular (da med dula óssea), hhepática e ren nal em pacienntes sob tratam mento com Ta abine.

- Sínddrome da Lisee Tumoral: como outros meedicamentos citotóxicos, c Ta abine pode innduzir hiperuricemia (aumeento do áciddo úrico no sangue) secuundária à ráp pida lise (desstruição) de células neoplásicas (canceerosas). O clínnico deve monitorar os nívveis sanguíneo os de ácido úrico em seu paaciente e estarr alerta para o uso das meddidas de suportte e farmacolóógicas necessáárias para controlar o probleema.

- Panccreatite: foi reelatada pancreeatite aguda (iinflamação do o pâncreas) em m pacientes trratados com Tabine

T

em coombinação com m outros fárm macos.

- Efeiitos Imunossuupressores / Aumento da Suuscetibilidade às Infecções:: a administraação de vacinaas com antígeenos (patógenos) vivos ou atenuados a em pacientes imu unocompromeetidos (com diiminuição da função do sisstema de defeesa do organiismo) por ageentes quimioterápicos, inclluindo Tabinee, pode resultar em infecçções graves ou fatais. A vaacinação com m antígenos viivos deve ser evitada em ppacientes receebendo Tabin ne. Vacinas com c antígenoss mortos ou iinativos podem m ser administradas; no enntanto, a resp posta à vacinaa pode estar diminuída.

d Uso eem Crianças As addvertências e precauções p parra as crianças são as mesmaas daquelas deescritas para ppacientes adultos.

durante a Graavidez Uso d Não eexistem estuddos sobre o usso de Tabinee em mulheres grávidas. A citarabina é teratogênica (causa malfoormações) em algumas espéécies animais. O uso do meedicamento em m mulheres quue estão gráviidas ou que ppodem engravvidar deve serr realizado appenas após seerem considerrados o beneffício potenciaal e os danoss potenciais taanto para mãe quanto para o feto. Mulherres potencialm mente férteis ddevem ser orieentadas para eevitar a graviddez.

Filhoss de mães exxpostas à citarrabina durantee a gravidez (como terapia única ou em m combinaçãão com outross medicamenttos) nasceram normais; alguuns deles nascceram prematu uros ou com bbaixo peso. Allgumas das crrianças normaais foram acom mpanhadas de sde a 6ª semaana até 7 anos após a exposiição, não mosstrando qualquuer anormalidade. Uma criança c apareentemente norrmal faleceu aos 90 dias de vida dev vido à gastrooenterite (inflaamação do esttômago e do inntestino).

Anorm malidades conngênitas (de nascimento) fooram relatadass, particularmeente em casoss nos quais o feto f foi expossto à citarabina durante o prrimeiro trimesstre (3 primeirros meses) da gravidez. Issoo inclui defeittos nos membbros distais suuperiores (antebraços) e infferiores (pern nas) e deformiidades nas exxtremidades (m mãos e pés) e nas orelhas.

Relatoos de pancitopenia (diminu uição de todaas as células do d sangue), leeucopenia (reddução de célu ulas de defesaa no sangue)), anemia (diiminuição da quantidade de d células veermelhas do sangue: hem mácias), trombbocitopenia (ddiminuição das d células dde coagulação o do sangue: plaquetas), anormalidadees nos eletróólitos (componnentes mineraais do sangue)), eosinofilia (aumento do número de um tipo de céllula de defesaa do sangue: eosinófilo) e traansitória, aum mento nos níveeis de IgM (tiipo de compon onentes de deffesa do sanguue) e hiperpireexia (aumento o da temperattura do corpo), sepse e mo orte ocorreram m durante o período p neonaatal com crianças expostas à citarabina inn útero. Algum mas destas criaanças também m eram prematturas.

Foram m realizados abortos a terapêu uticos em muulheres em terrapia com citaarabina. Foram m relatados caasos de fetos nnormais e de fetos com baço aumentadoo e trissomia de d cromossom mo C no tecido do coriônico (d doença genétiica relacionadda a componen ntes da placennta).

Deviddo ao perigo potencial de ocorrer anom malias durantee a terapia cittotóxica (de ccombate ao cââncer), princiipalmente durrante o primeiro trimestre de gravidez, a paciente qu ue estiver gráávida ou engrravidar durannte o tratameento com Tabine deve seer orientada quanto ao risco potenciaal para o fetto e a conveeniência da coontinuidade daa gravidez. Exxiste um risco definido, emb bora consideraavelmente red duzido, se o ttratamento é iniciado i duran nte o segundoo ou terceiro trimestre t da gravidez. Embbora tenham nascido n criançças normais dee pacientes traatadas com Taabine durantee os três trimesstres de graviddez, recomend da-se o acomppanhamento dessas d crianças.

Este m medicamentoo não deve seer utilizado p por mulheress grávidas seem orientação ão médica. In nforme imediiatamente seu u médico em caso de suspeeita de gravid dez.

durante a Lacctação (amam mentação) Uso d Não sse sabe se Tab bine é excretaado (eliminaddo) no leite materno.

m Como o muitos fárma macos são excrretados no leiite materno e, considerando o-se o risco pootencial de reaações adversas graves deviddo ao uso de Tabine

T

em laactentes, deve--se decidir en ntre descontinuuar a amamen ntação ou a medicação, m levvando-se em conta c a imporrtância da meddicação para a mãe.

dade de Dirigiir e Operar M Máquinas Efeitoos na Habilid O efeiito de Tabinee na habilidadee de dirigir ouu operar máqu uinas não foi avaliado sistem maticamente.

Interaações Medicaamentosas Sempre avise ao seu médico todas as meddicações que você toma quando ele ffor prescreveer uma mediccação nova.

O médico precisa avaliar a se as medicações m reeagem entre sii alterando suaas ações: issoo se chama intteração mediccamentosa.

- Diggoxina: foram m observadas diminuições rreversíveis naas concentraçções plasmáticcas (no sangu ue) no estadoo de equilíbrrio de digoxin na e na excrreção renal de d glicosídeoss em pacienttes recebendo o betaacetilddigoxina e esqquemas quimiioterápicos coontendo ciclofo fosfamida, vincristina e preddnisona com ou o sem citarabbina ou procaarbazina. Não houve alteraçções aparentees nas concenttrações plasm máticas de digiitoxina no esttado de equilííbrio. Portanto o, recomenda--se o monitoraamento dos nííveis plasmátiicos de digoxiina em pacienntes recebenddo esquemas quimioterápico q os combinado os similares ao o acima descrrito. A utilização de digitooxina por tais pacientes p pode ser uma alteernativa.

- Genntamicina: um m estudo de interação in vittro entre gentaamicina e citaarabina mostroou um antago onismo (reaçãão oposta) relaacionado à citarabina quantto à susceptibiilidade (sensib bilidade ou cap apacidade de sofrer a ação llesiva do antibbiótico) de cep pas de K. pneuumoniae. Essee estudo sugerre que, em paccientes tratado os com citarabbina e recebeendo gentamiicina devido a uma infecção por K. pneumoniae, p a ausência de uma respossta terapêuticaa imediata pod de indicar a neecessidade de uma reavaliação do tratam mento antibacteeriano.

- Fluuorocitosina: evidências e cllínicas mostraaram uma po ossível inibiçção da eficáccia da terapiaa com fluoroocitosina pela citarabina, po ossivelmente ddevido à poten ncial inibição competitiva dde sua captaçãão.

á fazendo uso o de algum ouutro medicam mento.

Informe ao seu méédico ou cirurgião-dentistta se você está use medicameento sem o co onhecimento do seu médicco. Pode ser perigoso p paraa a sua saúde..

Não u

CUID DADO: AGEN NTE CITOT TÓXICO ATEN

NÇÃO: ES

STE VIAIN NTRATECA AL MEDIICAMENTO O

NÃO

DEVE D SER R ADMINIISTRADO POR

5. ON

NDE, COMO E POR QUA ANTO TEMP PO POSSO GUARDAR G ESTE E MEDIC CAMENTO?

Tabin ne deve ser coonservado em temperatura aambiente (entrre 15ºC e 30ºC C), protegido dda luz.

o e qualquer solução não utilizada u devee ser devidam mente descartaada. O O meedicamento é de uso único prazo de validade deste d medicam mento é de 18 m meses, a partiir da data de fabricação.

fa d de fabrricação e valid dade: vide em mbalagem.

Númeero de lote e datas use medicameento com o prrazo de valid dade vencido. Guarde-o em m sua embalaagem originall.

Não u Antess de usar, ob bserve o aspeecto do med dicamento. Caso ele esteja a no prazo dde validade e você obserrve alguma mudança m no asspecto, consu ulte o farmacêêutico para saber se poderrá utilizá-lo.

Todo medicamentto deve ser mantido fora d do alcance da as crianças.

OMO DEVO USAR ESTE E MEDICAM MENTO?

6. CO Este pproduto é de uso restrito a hospitais ouu ambulatórios especializad dos, com empprego específiico em neoplasias malignaas (cânceres) e deve ser mannipulado apen nas por pessoall treinado.

ne sempre seerá preparado o e administrrado por um m médico ou por um proofissional de saúde Tabin especializado.

As innstruções para administraçção, diluição e infusão estão e disponib bilizadas na bula destinad da aos profisssionais de saaúde, pois so omente um m médico ou um m profissionall de saúde esspecializado poderá p preparrar e administtrar esta mediccação.

Tabin ne deve ser utiilizado por viaa subcutânea, intravenosa ou o por infusão intravenosa ccontínua.

NÇÃO: EST

TE MEDIC CAMENTO ATEN INTR RATECAL NÃO DEV VE SER ADMINISTRA A ADO POR VIA

Siga a orientaçãoo de seu méédico, respeiitando sempre os horáriios, as dosess e a duraçção do mento.

tratam Não iinterrompa o tratamento sem s o conheccimento do seeu médico.

7. O Q

QUE DEVO FAZER F QUA ANDO EU M ME ESQUECE ER DE USAR R ESTE MED DICAMENTO

O?

Comoo Tabine é um m medicamentto de uso excluusivamente ho ospitalar, o plano de tratam mento é definid do pelo médicco que acompaanha o caso. Caso

C

o pacient nte falte a umaa sessão prograamada de quim mioterapia com m esse mediccamento, ele deve procuraar o seu méédico para redefinição da programaçãoo de tratamen nto. O esqueecimento da doose pode comp prometer a efi ficácia do trataamento.

Em caaso de dúvidaas, procure orientação o do farmacêutico ou de seu médico, m ou cirrurgião-dentiista.

UAIS OS MA ALES QUE ES STE MEDIC CAMENTO PODE P CAUSA

AR?

8. QU O prinncipal efeito tóxico t de Tabine é supressãão (diminuiçãão da função) da medula ósssea, com leucopenia (reduçção de célulaas de defesa no n sangue), trrombocitopen nia (diminuiçãão das célulass de coagulaçção do sanguue: plaquetas) e anemia (diiminuição da quantidade de d células verm melhas do san angue: hemáciias). A toxiciidade menos grave g inclui nááuseas (enjooss), vômitos, diarreia e dor abdominal, a ulcceração oral (fferidas na muucosa da boca)) e disfunção hepática (do ffígado).

mo do Perffil de Segurrança (vide questão 4. O que dev vo saber anntes de usarr este Resum mediccamento?):

Sistem mas sanguíneeo e linfático Comoo Tabine é um m supressor daa medula ósseea, podem oco orrer anemia, leucopenia l (reedução de célu ulas de defesaa do sangue)), trombocitopenia (diminnuição das céélulas de coaagulação do sangue: plaq quetas), megalloblastose (prresença de células grandess e imaturas no n sangue) e redução de reeticulócitos (ccélulas vermeelhas jovens) como resultad do de sua adm ministração. A gravidade dessas d reaçõess depende da dose e do esquema terapêêutico empreg gados. Pode-s e esperar tam mbém, a ocorrrência de alteerações celulaares na morfoologia em esfrregaços de meedula óssea e de sangue perriférico (exam mes feitos paraa avaliar a apaarência das céélulas do sanggue).

Após infusões connstantes por 5 dias ou injeeções agudas de 50 mg/m2 a 600 mg/m m2, a depressão das célulaas brancas ocorre em duass fases. Indeppendente da contagem c iniccial (número de células an ntes de começçar o tratamennto), nível de dosagem ou eesquema terap pêutico (modo o de administrração e intervaalos de aplicaação do mediccamento), exisste uma quedaa inicial nas prrimeiras 24 ho oras, com nadiir (ponto maiss baixo da conntagem de céllulas de defesaa, a partir do qqual o número o começa a aumentar) nos ddias 7-9.

Seguee-se uma ligeiira elevação que q atinge seu pico próximo o ao décimo segundo dia. U Uma segunda e mais profunnda queda atiinge seu nadirr nos dias 15--24. Ocorre, então, e uma ráápida elevaçãoo acima da lin nha de base nnos 10 dias seeguintes. A depressão plaquuetária (diminu uição das plaq quetas) é notadda em 5 dias, com o pico dde depressão ocorrendo en ntre os dias 122-15. A partirr daí, uma rápida elevaçãoo acima dos valores v basaiss ocorre nos 10 dias seguinttes.

Infecçções e Infestaações Infecçções virais, bacterianas, b fú úngicas, parassitárias ou sap profíticas (fam mília de bacté térias), em qu ualquer local do corpo, poodem estar associadas ao uuso de Tabin ne sozinho ou u combinado ccom outros agentes a munossupresssoras que afetem a imunidaade celular (céélulas de defeesa) ou imunoossupressores após doses im humooral (substânciias de defesa). Essas infecçõões podem serr leves, mas taambém gravess e até fatais.

úrbios dos tecidos musculo oesquelético e conjuntivo Distú Síndroome da citaraabina: caracterriza-se por feb ebre, mialgia (dor ( muscularr), dor óssea, ocasionalmen nte dor toráciica, rash macculopapular (com ( formaçção de manchas vermelhaas e lesões elevadas na pele), conjunntivite (inflam mação ou infeccção da membbrana que cob bre o olho) e mal-estar.

m Geraalmente ocorrre 6-12 horas após a adminnistração do medicamento.

m Os corticosteeroides mostraaram ser benééficos no trataamento ou preevenção dessaa síndrome. See os sintomas forem considerados tratáveeis, o uso de co corticosteroidees deve ser coonsiderado, assim como a co ontinuação daa terapia com Tabine.

T

As reeações adversas relatadas são s listadas aabaixo pela Classe

C

de Sistema de Orgããos MedDRA A e por frequêência. As freqquências são definidas d comoo: Muito comu uns (ocorre em m mais de 10% % dos pacienttes que utilizaam este meddicamento), Comuns

C

(ocoorre entre 1% % e 10% do os pacientes que utilizam m este mediccamento), Incoomuns (ocorrre entre 0,1% e 1% dos paccientes que uttilizam este m medicamento),, Raras (ocorrre entre 0,01% % e 0,1% doss pacientes quue utilizam estte medicamen nto) e desconhhecidas (não podem p ser estimadas a parttir dos dados disponíveis).

d Infecçções e Infestaçções:

Muitoo comuns: pneeumonia, sepse (infecção ggrave), infecçção (pode ser leve, mas poode ser severaa e por vezes fatal).

bcutâneo – abaaixo da pele) nno local da injjeção.

Descoonhecidas: cellulite (inflamaação da pele e do tecido sub Distúrrbios do Sanggue e Sistema Linfático:

L

Muitoo comuns: inssuficiência da medula ósseaa (mau funcio onamento do órgão do corppo responsáveel pela produução de célulaas do sanguee), trombocitoopenia (dimin nuição das céélulas de coaggulação do sangue:

plaquetas), anemiaa (diminuição o da quantidaade de célulaas vermelhas do sangue: hemácias), anemia a e que tamannho das célulaas vermelhas do d sangue é m maior que o no ormal), megalloblástica (tippo de anemia em leucoppenia (reduçãão de células de defesa no sangue), dim minuição na co ontagem de reeticulócitos (ccélulas vermeelhas jovens).

Distúrrbios do Sistema Imunológico:

Descoonhecidas: anaafilaxia (reaçãão alérgica graave), edema (iinchaço) alérg gico.

Distúrrbios da Nutriição e Metabo olismo:

Descoonhecidas: dim minuição do ap petite.

Distúrrbios do Sistema Nervoso:

Descoonhecidas: neeurite (inflamaação de um nervo) ou neeurotoxicidadee (efeito tóxiico sobre o sistema s nervooso), tonturas, cefaleia (dor de cabeça).

Distúrrbio Ocular:

Descoonhecidas: connjuntivite (infflamação ou iinfecção da membrana m que cobre o olhoo), que pode ocorrer o com eerupções ou poode ser hemorrrágica com teerapia em alta dose.

Distúrrbio Cardíaco:

Descoonhecidas: perricardite (inflaamação do perricárdio – mem mbrana que reecobre o coraçção).

Distúrrbio Vascular:

Descoonhecidas: tromboflebite (fo ormação de um m coágulo den ntro de uma veia, v com inflaamação desta veia).

v tinais (região situada s entre o coração e oss pulmões):

Distúrrbios Respirattórios, Toráciccos e Mediasti Descoonhecidas: faltta de ar, dor de d garganta.

Distúrrbios Gastrinttestinais:

Muitoo comuns: esttomatite (inflaamação da muucosa da boca), dor abdom minal, diarreiaa, náuseas, vô ômitos, ulceraação oral, inflaamação ou úlccera (ferida) aanal (do ânus).

Descoonhecidas: paancreatite (infflamação no pâncreas), ulceração u esoffágica (formaação de úlcerras no esôfaggo), esofagite (inflamação do d esôfago).

Distúrrbios Hepatobbiliares:

Muitoo comuns: disffunção hepáticca.

Descoonhecidas: icteerícia (coloraçção amareladaa da pele e mu ucosas por acú úmulo de pigm mentos biliaress).

Distúrrbios da Pele e Tecido Subccutâneo:

Muitoo comuns: aloppecia (perda de d cabelo), rassh.

Comuuns: ulceraçãoo cutânea.

Descoonhecidas: sínndrome eritrod disestesia palm mo-plantar, (v vermelhidão das d mãos e péés com alteração da sensibbilidade) sardaas, prurido (co oceira), urticárria (alergia daa pele).

Distúrrbios dos teciddos musculoesquelético e cconjuntivo:

Muitoo comuns: síndrome da citarabina.

c (veer item 8 “D Distúrbios do os tecidos muusculoesqueléético e conjunntivo”) Distúrrbios Renais e Urinários:

Descoonhecidas: dissfunção renal, retenção urinnária (dificuldaade para urinaar).

Distúrrbios Gerais e Condição do o Local da Adm ministração:

Muitoo comuns: febre.

Descoonhecidas: saangramento, dores d articulaares, dor torrácica, reaçõees no local da injeção (dor ( e inflam mação nos locaais de injeções subcutâneass).

Investtigações:

Muitoo comuns: bióópsia de medu ula óssea anoormal (exame do órgão do corpo que prroduz as célu ulas do sanguue), teste de esfregaço e sang guíneo anorm mal. (tipo de exame e de sang gue obtido diiretamente do órgão produutor das célulaas sanguíneas).

m Associação com Terapia a em Altas Do oses:

Reaçõões Adversas relatadas em Infecçções e infestaçções:

Descoonhecidas: absscesso (coleçãão de pus) no ffígado.

Distúrrbios Psiquiáttricos:

Descoonhecidas: muudanças na peersonalidade ((mudança de personalidadee foi relatada em associaçãão com disfunnção cerebral e cerebelar).

Distúrrbios do Sistema Nervoso:

Muitoo comuns: disffunções cerebrais e cerebelaares (no cereb belo), sonolência.

Descoonhecidas: com ma, convulsão o, neuropatia pperiférica mottora e neuropaatia periférica sensorial.

Distúrrbio Ocular:

Muitoo comuns: disttúrbios da córnea (membranna transparentte da frente do o olho).

Distúrrbio Cardíaco:

Descoonhecidas: carrdiomiopatia (lesões ( do mússculo do coraçção) seguidas de morte.

Distúrrbios Respirattórios, Toráciccos e Mediasti tinais:

Muitoo comuns: sínndrome de an ngústia respirratória aguda (doença dos pulmões quee causa falta de ar intenssa), edema pullmonar (preseença de liquidoo no tecido pu ulmonar que leeva a falta de ar intensa).

Distúrrbios Gastrinttestinais:

Comuuns: colite neccrosante (inflaamação grave e fulminante do d intestino grrosso).

Descoonhecidas: necrose gastrinttestinal (falta de oxigênio para os tecidos do estomaago e intestino os que leva a morte dessees tecidos), úlcera (ferida) gastrintestinaal, pneumatosse intestinal ((presença de gás na parede do intestino), peritonite (iinflamação doo tecido que reecobre os órgããos do abdôme men).

Distúrrbios Hepatobbiliares:

Descoonhecidas: danno hepático (n no fígado), hipperbilirrubinemia (grande quantidade q de substâncias biliares b no sanngue).

Distúrrbios da Pele e Tecido Subccutâneo:

Comuuns: esfoliaçãoo da pele (desccamação da p ele).

A

Outraas Reações Adversas Uma pneumonite intersticial i diffusa (inflamaação dos pulm mões), sem caausa evidente,, que pode teer sido oi relatada porr pacientes traatados com do oses experimeentais intermediárias relacionada ao uso de Tabine fo MSA, daunorruubicina, VP-16).

de Taabine (1 g/m2) com e sem outros agentes quimioterápiccos (meta-AM Relatoou-se uma sínndrome de ang gústia respiratóória súbita rap pidamente pro ogredindo paraa edema pulm monar e cardioomegalia (aum mento do co oração) evideente radiologiicamente (porr exame de imagem) , após a a adminnistração expeerimental de Tabine

T

em alttas doses, no tratamento t dee recidiva de lleucemia; resu ultados fatais foram relataddos para esta síndrome.

s m cirurg gião-dentista ou farmacêu utico o apareccimento de reeações indeseejáveis Informe ao seu médico, uso do medicamento. Informe também m à empresa através a do seu u serviço de aatendimento.

pelo u

9. O QUE FAZER R SE ALGUÉM USAR U UMA QUAN NTIDADE MA AIOR DO Q QUE A INDIC CADA DEST TE MEDICA AMENTO?

Não eexiste antídotoo para uma sup perdosagem dde Tabine.

A adm ministração dee 12 doses de 4,5 4 g/m2, por infusão intrav venosa, durantte 1 hora, a caada 12 horas, causou c um auumento inaceitável e toxicid dade irreversívvel do sistemaa nervoso centtral e morte.

Em ccaso de uso de d grande qua antidade destte medicamento, procure rapidamentee socorro méédico e leve a embalagem ou bula do medicamento m o, se possível. Ligue para 0800 722 60001, se você prrecisar de maais orientaçõees.

DIZERES LE EGAIS

III – D

VEND DA SOB PRE ESCRIÇÃO MÉDICA M AIS USO RESTRITO A HOSPITA

Regisstro no M.S. n.º: 1.2361.002 26 Farmaacêutica Responsável:

Lenitaa A. Alves Gnnochi CRF-SP P: 14.054 Fabriccado por:

Cipla Limited Plot nnº, S-103 to S--105 & S-107 to S-112 Vernaa Indl. Estate, Verna, Salcettte Goa / Índia Imporrtado e Distribbuído por:

Meizller UCB Biopharma S/A.

Enderreço: Alamedaa Araguaia, 38 833 - Tamborré CEP.:: 06455-000 - Barueri - SP

S

C.N.P P.J.: 64.711.5000/0001-14 Nº lotte, data de fabbricação e validade: vide carrtucho.

03020013019 R6 Reev. Junho 2014 4 Histórico de e alteração o para bula a20 Dados da sub bmissão eletrôniica Data do No.

unto Assu eexpediente exp pediente 104 450 –

SIMIL

LAR – Notifficação d de Alteraação de Tex xto de Bu ula – RDC 60/12 13/1/2014 00223995/14-0 450 – 104

SIMIL

LAR – Notifficação d de Alteraação de Tex xto de Bu ula – RDC 60/12 Dadoos da petição/nootificação que altera a bula Data do N° doo Data de Assunto expedieente expedien nte aprovação 12/06/2014 13/1/20014 0486864/14-1 0023995/14-0 Redução do prazo de validade com manutenção dos cuidados de conservação 10450 – SIMILAR – Notificação de Alteração de Texto de Bula – RDC 60/12 Dados das alterações de bulas Versões Apresentações Itens de bula211 22 2 (VP/VPS) relacionadass23 12/06/2014

ONDE, COMO E PO OR QUANTO TEMPO O POSSO GUARDAR R ESTE MEDICAMENTO??

CUIDADOS DE ARMAZENAMENT TO DO MEDICAMENT TO

13/1/2014

O QUE DEVO E SABER ANTES DE USAR ESTE MEDICAMENTO??

QUAIS OS MALES S QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR

R?

ADVERTÊNCIAS S E PRECAUÇÕES INTERAÇÕES MEDICAMENTOSA AS

REAÇÕES

ADVERSAS VP/VPS

100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 1 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 5 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 10 ML (REST

T

HOSP)

VP/VPS

100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 1 ML (REST

T

HOSP)

L

100MG/ML SOL

INJ CT FA VD IN NC

X 5 ML (REST

T

HOSP)

L

100MG/ML SOL

INJ CT FA VD IN NC

X 10 ML (REST

T

HOSP) 5/12/2013 01/07/2013 10228580/13-6 05226977/13-6 104 450 –

SIMIL

LAR – Notifficação d de Alteraação de Tex xto de Bu ula – RDC 60/12 104 457SIMIL LAR – Incllusão Iniicial de Teexto de Bu ula – RDC C 60/12 5/12/20013 01/07/2013 1028580/13-6 0526977/13-6 10450 – SIMILAR – Notificação de Alteração de Texto de Bula – RDC 60/12 10457SIMILAR – Inclusão Inicial de Texto de Bula – RDC 60/12 5/12/2013 01/07/2013

QUAIS OS MALES S QUE ESTE MEDICAMENTO PODE ME CAUSAR

R?

REAÇÕES

ADVERSAS

Adequação da Bula do d Tabine conforme Bu ula Padrão do Medicamento Aracyttin – Adequação à RDC

C

47/09

VP/VPS VP/VPS

100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 1 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 5 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 10 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 1 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 5 ML (REST

T

HOSP) 100MG/ML SOL

L INJ CT FA VD IN NC

X 10 ML (REST

T